Vegetação natural ocupa 76% do território de São Vicente

A cidade de São Vicente possui 76,24% de seu território formado por vegetação natural. São 112,8 km² com essa característica, de um total de 148,4 km².

Foto: Divulgação


Isso é possível graças à soma de grandes espaços territoriais protegidos pelo Código Florestal Brasileiro e de áreas preservadas.


Partes do território vicentino estão inseridas em áreas protegidas, no âmbito estadual. Os espaços são definidos pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC).

São:

● Parque Estadual Xixová-Japuí

● Parque Estadual da Serra do Mar

● Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro APA - Litoral Centro


Além desse espaço, São Vicente possui uma área preservada municipal, que é o Parque Ecológico Voturuá. No entanto, esse local não se enquadra nas categorias do SNUC.


Toda a área de vegetação natural é remanescente da Mata Atlântica. O bioma apresenta diferentes formações vegetais, como a Floresta de Restinga, a Floresta Ombrófila Densa Montana e Submontana, os Manguezais, entre outros ecossistemas associados, que se compõem de variadas espécies vegetais e animais.


Importância

A existência desses espaços é fundamental para a proteção da fauna, flora, recursos hídricos, solos, paisagens e representam condição básica para a conservação e perpetuação da diversidade biológica.


Além disso, as áreas permitem a promoção de serviços ecossistêmicos, que podem ser divididos em três categorias:


● Serviços de Regulação: regulação climática, de doenças, genética, de danos naturais, regulação e purificação da água e polinização.


● Serviços de Provisão (fornecimento): alimentos, água, madeira, fibras, oxigênio e recursos genéticos.


● Serviços Culturais: ecoturismo e recreação, espiritual e religioso, estético e inspiração, educacional, senso de localização e cultural.


Confira as características de cada área de preservação


Parque Estadual Xixová-Japuí

Fragmento de Mata Atlântica, com as seguintes formações: Floresta Ombrófila Densa Submontana, Floresta Ombrófila de Terras Baixas , Formação arbórea/arbustiva-herbácea sobre sedimentos marinhos recentes. Foram identificadas 457 espécies vegetais no PEXJ, compreendendo 294 gêneros e 106 famílias botânicas. Deste total, 13 espécies estão ameaçadas de extinção. Essa Unidade de Conservação faz a interface entre o continente e o oceano.


Parque Estadual Serra do Mar

Entre as 1.361 espécies de animais e cerca de 1.200 tipos de plantas registradas por sua extensão, segundo o Ibama, encontram-se protegidos alguns dos principais animais em risco de extinção no país, como o macaco-prego, o bicho-preguiça e a anta (ou tapir). Também fazem parte do ecossistema, espécies ameaçadas da flora nacional, entre elas o palmito jussara e a orquídea Laelia purpurata.


APA Marinha Litoral Centro

É a segunda maior unidade de conservação marinha do Brasil e a primeira maior do Estado de São Paulo, e integra a Reserva da Biosfera do Cinturão Verde de São Paulo (RBCV).

A unidade concentra uma variedade de ecossistemas que abrigam uma rica biodiversidade, considerando uma gama de espécies em status criticamente em perigo; espécies migratórias e de mar aberto, que utilizam os ambientes em alguma fase da vida.


Parque Ecológico Voturuá

O Parque Voturuá é constituído por um maciço de Mata Atlântica situado entre dois centros urbanos (Santos e São Vicente), possuindo vasta riqueza biológica do ponto de vista da conservação, estudo e observação.


Fonte: Prefeitura de São Vicente

0 visualização0 comentário